Pastoral

Perdão Antecipado

25 Capa MarçoO perdão para ser eficaz exige ou pressupõe arrependimento do ofensor. Reconhecimento do erro cometido e a busca do perdão ao ofendido. Não é fácil perdoar. Confiar no sincero arrependimento do ofensor, mais difícil ainda. Há no mundo evangélico moderno a errônea ideia de se liberar perdão para o suposto ofensor. A pessoa que se sente ofendida, mesmo sem o reconhecimento do ofensor libera perdão, quer o ofensor aceite ou não. Errado tal proceder. É uma fuga para não encarar a realidade do confronto. Em muitos casos o ofendido é o próprio ofensor que persiste em não reconhecer seu erro. Perdão é confronto entre duas pessoas que levam a sério o viver cristão. Restaura-se o relacionamento e a paz desejada passa a reinar. 

Ao ser crucificado Jesus antecipa perdão aos seus algozes ao repetir: “Pai perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” Lc 23.34. Aqueles soldados cumpriam ordens de seus superiores. Mesmo discordando da crucificação ou do método usado pelas autoridades superiores, não podiam ou não deveriam questionar. Jesus sabia que muitos daqueles ignorantes executores seriam  alcançados no futuro pela mensagem da cruz. Em suas consciências estaria gravado cada instante do calvário. A consciência acusatória haveria de importuná-los. Por antecipação o Pai ouviu a oração do Filho em agonia e concedeu-lhes perdão antecipado. No momento em que o pecado fosse reconhecido e em sinceridade buscasse o perdão o encontrariam. Jesus cumpre ao proferir essa oração a sua função sacerdotal: Interceder pelos pecadores.

A oração de Jesus desafia-nos a perdoar. Não importa qual o tipo de ofensa praticada. Há muitas ações que são praticadas por ignorância e por ignorantes. Pessoas que não buscam se inteirar dos fatos e nos julgam com crueldade. A Pilatos Jesus disse que: “Aqueles que me entregaram a ti maior pecado tem”, Jo 19.11b. Numa classificação de pecados, que não existe para Deus, as autoridades religiosas estavam cometendo pecado maior. Conheciam as profecias sobre o Messias. Conheciam a história do povo escolhido, mas, fizeram ouvidos moucos ante a ação divina para salvar o pecador. Pedro em seu sermão à porta do templo diz que seus ouvintes agiram por ignorância. “Eu sei que o fizestes por ignorância como também os vossos magistrados” AT 3.17. Mas, isto não os eximia da necessidade de arrependimento. “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para que sejam perdoados os vossos pecados”. At 3.19. 

O ignorante não pode permanecer na ignorância. Precisa ouvir do perdão oferecido por Jesus Cristo na cruz e arrepender-se dos seus pecados. Isto requer o anuncio do Evangelho, a parte que nos cabe  como salvos, e, o toque do Espírito Santo. O ignorante merece compaixão. Especialmente o ignorante religioso. Não é fácil alcançá-lo, mas o Espírito Santo tem o poder de abrir-lhe os olhos para a mensagem salvífica. Há perdão ao dispor dos ignorantes. Deus os ama.

Pastor Julio Oliveira Sanches.

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to Twitter

Templo I - Rua Monteiro Soares Filho, 652
Vila Zelina

Templo II - Rua Marechal Malet, 611
Parque Vila Prudente

Horário de atendimento: segunda a sexta das 8h às 17h
contato: (11) 2347-9141